Marcos Ramon

Quero correr

Acordei querendo correr.

Porque correr é não ficar parado; é forçar o corpo a um limite que ele não pode (e não quer) suportar; é esquecer que se é finitude e sentidos e paixões.

Quero correr pra me entregar ao que existe de mais primitivo e visceral em mim, para não pensar no que eu sou ou no que eu desejo. Quero correr pra esquecer o que não devo.

Pra ser uma coisa viva, não quero mais pensar. Só quero correr.

Cena do filme Corra, Lola, Corra


Marcos Ramon / Professor de Filosofia, pesquisando estética e cibercultura.

Inscreva-se na newsletter para receber atualizações por email. 😉