O mal é um problema?

Uma discussão recorrente dentro da filosofia é a reflexão sobre o problema do mal. Digo “problema”, mas é preciso pontuar que, para muitos autores, não se trata de algo a que se pode recorrer com uma solução. Logo, a percepção de “problema” talvez não caiba aqui. Thomas Hobbes, por exemplo, quando afirma que a natureza humana é má por natureza, reconhece que, não podendo lutar contra quem somos, podemos pelo menos nos redimir criando artifícios para combater a nossa natureza. No caso dele, a proposta é a ideia do contrato social. O contrato, nas bases de um combate à maldade inata que prevalece em cada um, se instaura como uma possibilidade de uma vida menos dolorosa. Afinal, se “o homem é o lobo do homem”, abrir mão da liberdade e dos instintos egoístas torna a vida possível, ainda que com algum nível de sofrimento e privação.

Santo Agostinho, por outro lado, quando discute o tema do mal, tenta justificar a existência desse em consonância com a presença de um Deus bom e todo poderoso. A resposta, base para a teologia, é que o mal não possui um ser; logo, não é objeto da criação de Deus. É porque possuímos livre arbítrio que o mal se faz presente no mundo. Já Leibniz defendia que é compatível a ideia de que Deus exista e que ainda assim exista o mal, sendo este parte de um desígnio incompreensível para nós. Muitos filósofos do Iluminismo, dentre eles Voltaire, combatiam esta tese utilizando exemplos do sofrimento humano como fato irrefutável.

Por fim, o filósofo francês Paul Ricoeur discute essa questão considerando a desconfiança em relação ao mal como algo que devemos enfrentar. Como ele mesmo afirma, “crer em Deus, apesar do mal”, sendo esse “apesar de” uma condição de esperança para a vida humana. Nas palavras de Ricoeur:

O sofrimento só é um escândalo para quem compreende Deus como a fonte de tudo o que é bom na criação, inclusive a indignação contra o mal, a coragem de suportá-lo e o impulso de simpatia para com as vítimas; cremos então em Deus a despeito do mal (…). Crer em Deus, apesar de…, é uma das maneiras de integrar a aporia especulativa no trabalho de luto. (Paul Ricoeur, em “O mal, um desafio à Filosofia e à Teologia”)

Independente da forma como se compreende a questão, parece inevitável perceber o mal como uma condição da vida humana. Afinal, estamos sempre nos debatendo contra ele, seja nos outros ou em nós mesmos.

Ilustração de Cyril Rolando.