Medindo o metrô

1 minuto(s) de leitura

Eu gosto de especular sobre coisas que não posso compreender.

Ontem, voltando pra casa, vi um cara entrando no metrô com uma trena. Bastou a porta fechar e ele começou a medir a porta do vagão. O metrô estava cheio e ele estava bem do meu lado. Talvez pela proximidade daquele fato inusitado, fiquei intrigado com aquilo. O cara mediu uma extensão da porta, depois outra, de cima pra baixo, de um lado pro outro. Quando o metrô parava em alguma estação e abria a porta ele saia um pouquinho e media a parte interna da porta (a grossura do metrô, não se dá pra entender assim). Vendo aquilo eu fiquei especulando sobre quem era aquele cara e porque ele estava fazendo aquilo.

De repente ele era um funcionário do metrô e estava lá pra verificar algum problema na porta. Mas não, ele não estava vestido como um funcionário do metrô. Parecia um cara comum, com uma aparência comum, sendo estranho em público.

Ou então podia ser isso: ele estava fazendo um trabalho técnico de algum curso, e ele tinha que medir a porta do metrô pra uma pesquisa. Mas não, não tem pesquisa assim (eu imagino). Além disso, o cara não anotava nada, só media e media.

Ou pior: ele estava planejando um assalto ou atentado ou algo maligno assim… E bem quando eu estava nesse ponto da minha alucinação, percebi que o cara tinha parado de medir a porta do metrô e estava olhando direto pra mim.

Senti um frio na espinha, típico de que está fazendo o que não devia. Então percebi que ele ia me falar alguma coisa. “Eu só gosto de medir”, ele disse, com voz calma e paciente, como se tivesse percebido a minha curiosidade.

Na verdade, a explicação dele foi desestimulante, justamente porque me tirou do meu processo de imaginação/invenção. Mas eu não disse nada. Apenas dei um sorrisinho condescendente e tratei de não olhar mais pra ele. Durante o resto da viagem (faltavam duas estações ainda antes de eu descer) ficamos cada um na sua. Ele, contente, medindo a porta do metrô; e eu, entediado, sem poder especular sobre aquilo que não era pra ter resposta.

Tags:

Categorias:

Atualizado em:

Deixe um comentário